necas abelho

Em família: Manuel Abelho, Necas, Cátia e Nela

Na Rua Vieira de Leiria mora o segredo mais mal guardado da Marinha Grande. Comes e bebes com emoções fortes.

Não se deixem enganar pelo sexo oral à bruta, o Necas Abelho é um negócio de família. Pai, filho, nora e neta gerem o segredo mais mal guardado da Marinha Grande, um lugar com ar de tasca onde os comes e bebes acompanham emoções fortes. As noites de quinta-feira são míticas e o pretexto é a chegada de marisco fresco. Mas o que acontece a seguir não cabe no conceito de marisqueira, restaurante ou café. É, dizem os aficionados, uma experiência.

Há quem garanta que a filosofia do Necas, a alma da casa, dava para escrever um livro. Os seus desbloqueadores de conversa são famosos. Se depender do Necas, ninguém passa despercebido, todos recebem tratamento especial. A frase que inaugura este texto é nem mais nem menos do que a praxe para os novos clientes. Quem chega pela primeira vez é imediatamente convidado a fazê-lo – ir atrás do balcão e tirar duas periquitas para beber com o anfitrião. Regra de ouro: no Necas ninguém paga por sexo oral à bruta.

Visitei menos de meia dúzia de vezes o número 2 da Rua Vieira de Leiria, mas vi coisas bastante estranhas e boas. Muitas passam-se em cima das mesas. Bem entendido: a canja de amêijoa, os camarões com tempero especial, os búzios, as pichas e outros petiscos catitas que dão fama ao estabelecimento. Como em qualquer tasca fiel à tradição, e esta soma 50 anos no activo, não falta a imperial no ponto, copinhos de tinto, omeletes, torresmos, azulejos, mármores, barcos, lemes, faróis e outros adereços do mar. Não se admirem se aparecer um camarão a cavalo num copo de cerveja, faz tudo parte do charme intemporal.

Além da sabedoria popular, no Necas há entretenimento. “Não vendemos cerveja nem marisco, vendemos emoções e brincadeira”, diz o próprio. Nesta esquina com a Avenida José Gregório, o calor humano abunda e até a tristeza pula de alegria. A bandeja voadora, o lançamento do prato, o engolidor de fogo e o homem das pevides são números quase obrigatórios no espectáculo. Também há cantigas e guitarradas, noites de poesia, muito humor e traquinice. A própria ementa contribui com momentos de transformismo: as amêijoas à 25 de Abril podem surgir listadas como amêijoas Roquefort na semana seguinte ou amêijoas sexo tântrico uns dias depois, sem nunca deixarem de ser o que realmente são.

Recentemente, foi inaugurada a Confraria da Cerveja Necas Abelho. O carisma, a sinceridade e o coração do anfitrião fazem dele um relações públicas sem igual, capaz de multiplicar noites de partilha. E se um cliente especial pedir com jeitinho, também é homem para preparar um jantar romântico à luz de velas e com toalha de pano. Tudo ao som de Roberto Carlos.

Texto de Cláudio Garcia
Fotografia de Ricardo Graça

(Publicado em 28 Março 2013)

Necas Abelho
Rua da Vieira de Leiria, n.º 2, Marinha Grande
Especialidade: mariscos e cerveja
Encerra ao domingo e segunda

Vídeo de Carlos Barros (Lua Filmes)