Sem Título

Barcelona (ES) – Andorra-a-Velha (AD) – Oloron Sainte Marie (FR)

7h00: Depois de uma viagem cheia de colesterol a caminho de Barcelona, espero que tenha havido tempo para comer muita salada e fruta. De novo na estrada, ao partir de Barcelona, com tempo e no Verão, o melhor é seguir em direcção a Andorra. Como quem vai ao shopping, embora ‘diz que’ aquilo já não é o que era, mas é sempre giro ir às compras e comprar uns vinhos diferentes ou assim.

10h00: Andorra-a-Velha, que mais tem nome de insulto à sogra do que capital do que quer que seja, fica ali num vale, bem apertadinho, e fico-me por aqui.
Como quem ia aos caramelos a Espanha nos anos 80, agora, já sem grandes novidades, dá para trocar de óculos de sol, e fazer umas compras, mas nada por aí além. Também onde raio iam meter a aparelhagem dentro do carro, se não cabe mais nada e vão no sentido oposto ao de casa?

13h30: Depois de almoço, rumo a França – umas sandes com mortadela comprada no supermercado servem perfeitamente. À saída da cidade, no topo da montanha, metam gasolina lá, que provavelmente o dono é português e é muito mais barata do que nas terras do Hollande (que, curiosamente, tem pouco a ver com a Holanda).
Ah e tal, é uma e meia, o pico do calor… qual calor? Deixem de ser queixinhas.

18h00: Se não são daqueles que estão sempre a parar, primeiro para ir ao WC, depois para comprar uma garrafa de água, depois para comprar um pacote de bolachas, depois para ver se encontram um mapa decente, depois para ir novamente ao WC, e depois para comprar mais água e petiscar algo, devem chegar a horas decentes à bonita localidade de Oloron Sainte-Marie, no Sudoeste francês, zona dos Pirenéus, de onde podem partir nos próximos dias para explorar as montanhas, fazer caminhadas, piqueniques e respirar o ar puro a fundo.
De referir, e isto é a mais pura das verdades, que há por lá nas montanhas um ‘osteocoiso’ (daqueles tipo endireita, sabem?) que faz milagres. Vi eu: uma pessoa que não se conseguia mexer pela manhã e o homem aplicou-lhe um tratamento tal, que uma hora depois, fruto da sua vida profissional, essa mesma pessoa estava literalmente num palco aos pinotes. É de aproveitar.

20h00: Se o vento estiver de feição, nas noites quentes de Verão cheira a chocolate em Oloron, por causa da fábrica de chocolates. Ora digam lá se não é um bom cartão de visita? Por acaso, quando lá estive não me cheirou a nada.
Bem no centro, à beira-rio, ao pé de uma ponte, há o Le Bistrot du Pont.
Peçam o pato. Não é à pato, nem é por gostar dos Nice Weather for Ducks. Aquilo é uma categoria de ave, superiormente confeccionada, docinha com mel lá das montanhas e algumas ervas aromáticas das encostas.
E agora para estragar o postal, se estiverem já à rasca de dinheiro, pois torraram mais do que deviam em Andorra, há sempre o Intermarché no centro: mas atenção, que fecha cedo. Que vergonha!

Texto de Pedro Miguel
(Publicado a 20 Junho 2013)