Em tempos criaram a quintessência no blogue Diospiro Joyeux. Agora, numa contratação-relâmpago que escapou às garras do empresário Jorge Mendes, Alexandre Louro e Renato Carreira mudam-se para a Preguiça, a fim de demonstrarem a Circularidade do Quadrado. Entrevistas ao sabor da actualidade, de 15 em 15 dias, gravadas em tempo real perante nenhuma audiência.

26da6_ASSUNO~1

“Protestaram de forma mais gasosa, mas justificada”

Alexandre Louro: Boa tarde, Renato Carreira. Esta semana vamos tentar não falar de lémures, ok?
Renato Carreira: Boa tarde, Anselmo Brandoa. Isso deixa-me um pouco magoado, mas o que tem de ser tem muita força.

Alexandre Louro: Ainda assim, a minha primeira pergunta é sobre Assunção Esteves. Hoje, um conjunto de reformados foi expulso do Parlamento por ter, nas galerias, ficado de costas para os deputados. Voltar as costas à assembleia é uma forma de protesto admissível?
Renato Carreira: Isso não é bem assim. Nas imagens televisivas e nas fotografias parecia realmente que estavam apenas de costas voltadas para os deputados. A verdade é que protestaram de forma mais gasosa mas, mesmo assim, perfeitamente justificada.

Alexandre Louro: Ah bom. Será eficaz?
Renato Carreira: Dependerá do nariz. Seja como for, não aprovo armas químicas usadas contra as grávidas do governo. Temos de zelar pela próxima geração de governantes. (Refiro-me tanto a Assunção Cristas como a Paulo Macedo.)

Alexandre Louro: Por falar em geração – neste caso co-geração -, começou o julgamento do caso da licenciatura de Miguel Relvas. Prognósticos?
Renato Carreira: Miguel Relvas – 6, Justiça – 0. Quatro penáltis inexistentes, um golo em fora de jogo claro e outro que ninguém viu.

Alexandre Louro: Tudo limpinho, limpinho?
Renato Carreira: Limpeza quase tão grande como a da consciência do Miguel.

“O mês de Junho é o meu ramadão literário”

Alexandre Louro: Já que entrámos em campo, leste a entrevista a Jorge Gonçalves, antigo presidente do Sporting? Não tinhas saudades dele e do seu bigode retro-farfalhudo?
Renato Carreira: Não li porque o mês de Junho é o meu ramadão literário. Passo o mês inteiro sem ler durante o dia e à noite dá-me sono. Fico contente por saber que há bigodes que ainda são relevantes. E espero que volte em breve ao activo. O futebol português precisa de pessoas divertidas.

Alexandre Louro: Precisa, pois. Pessoas não faltam ao Benfica que – soube-se esta semana em que alguém tirou dois dias só para contar as almas que têm contrato com o “clube da águia” – conta com 104 jogadores. Viste a lista? Qual é o teu preferido?
Renato Carreira: É difícil dizer qual é o meu preferido. É como pedir a um pai que dê predilecção a um filho. Talvez o Markovic com a cabeça do Luisão, as pernas do Salvio e a rótula esquerda do Ola John. Pode parecer que 104 jogadores é exagerado, mas é preciso dar o benefício da dúvida a quem orienta o exército… Plantel! Peço desculpa. Ignorem o que disse antes, por favor. Não há motivo para preocupações. Juro.

Alexandre Louro: E o pâncreas? Escolhes o pâncreas de qual deles?
Renato Carreira: Do André Almeida, obviamente. O melhor pâncreas é o pâncreas lusitano.

“O Mali é um país muito necessitado de glamour”

Alexandre Louro: Aproveitando a referência ao melhor do lusitano, preocupa-te a nomeação de Fanny no Big Brother VIP?
Renato Carreira: Preocupa. Porque quem é nomeado pode sair. E há pessoas que deviam estar sempre trancadas numa casa com videovigilância 24 horas por dia.

Alexandre Louro: Sem dúvida. Suponho que, pelas mesmas razões, te relaxe o facto de Cristiano e Irina estarem juntos no Bali.
Renato Carreira: Pessoalmente, preferia que estivessem juntos no Mali. É um país muito necessitado de beleza, glamour e inteligência. A inteligência podia seguir mais tarde.

Alexandre Louro: É comovente a tua preocupação. Qual a tua posição sobre o caso Snowden? A Rússia devia tê-lo entregue aos Estados Unidos da América? Qual o futuro do rapaz?
Renato Carreira: A minha posição sobre o caso Snowden é esta. Acho que… O RAPAZ FEZ MAL EM TRAIR ASSIM O SEU PAÍS E DEVE ENTREGAR-SE ÀS AUTORIDADES PARA SER JULGADO E PUNIDO… Estranho… Juro que não escrevi nada disto. Apareceu de repente.

Alexandre Louro: Ainda pelos Estados Unidos da América, uma empresa criou balas com carne de porco para aterrorizar muçulmanos. Que te parece a ideia?
Renato Carreira: Parece-me deliciosa. Espero que tenham munição em variedade chispe.

Alexandre Louro: Continuando no âmbito das carnes: Rubygate. É justa a condenação de Berlusconi?
Renato Carreira: Não. É uma pessoa que tentou ajudar jovens com dificuldades e é esta a paga que a sociedade lhe dá. Para vermos como é a vida…

Alexandre Louro: Tu que és presença assídua no Brasil e tratas os tucanos por tu, como analisas a revolta dos 20 centavos?
Renato Carreira: Acho exagerado. O preço mínimo da minha revolta é 47 cêntimos. Por menos que isso, não tiro os cocktails molotov do frigorífico.

Alexandre Louro: Um estudo de uma portuguesa indica que os melros da cidade estão a ficar mais tímidos. Como ornitólogo amador que és, esperavas esta evolução no melro?
Renato Carreira: Por acaso, não. Esperava há muito tempo que os estorninhos ficassem mais vaidosos ou que aumentassem os níveis de depressão entre os pardais, mas os melros surpreenderam-me.

“Quando se souber que o ponto e vírgula original legalizava a escravatura em Leiria…”

Alexandre Louro: Também causou frisson esta semana a notícia de que a estátua de Osíris, deus egípcio da morte, se mexe sozinha no Museu de Manchester. Isto está a intrigar até especialistas. A ti, faz o quê?
Renato Carreira: Comichão no céu da boca. Ou é também uma maldição egípcia, ou alguma alergia que apanhei.

Alexandre Louro: Uma vírgula foi o suficiente para prolongar o contrato de 15 milhões de euros entre o município de Leiria e a empresa que recolhe o lixo. Este país não é para vírgulas?
Renato Carreira: Quando se souber que o ponto e vírgula original legalizava a escravatura em Leiria, isso parecerá irrelevante. É preciso muito cuidado quando se lida com a pontuação.

Alexandre Louro: Um grupo empresarial brasileiro vai investir 39 milhões de euros na criação de uma unidade para fabrico de produtos de odontologia e de ortodontia em Figueiró dos Vinhos. Adivinha-se uma nova ordem mundial na odontologia e na ortodontia?
Renato Carreira: Aqui há gato. Apelo às autoridades competentes para ficarem atentas às movimentações brasileiras na otorrinolaringologia e na ortopedia portuguesas. Podemos estar perante um caso gravíssimo de anexação de todas as nossas especialidades médico-dentárias começadas por O.

Alexandre Louro: A Preguiça Magazine vai estrear uma edição em Coimbra esta semana. Um pequeno passo para o Homem, uma grande espreguiçadela para a Humanidade?
Renato Carreira: Sem dúvida. Aproveito para me disponibilizar para colaborar também com a edição coimbrona. O cachê é o mesmo (desculpem, mas a qualidade paga-se). Também tenho um primo que faz a coisa por menos, se preferirem.

Alexandre Louro: Obrigado, Renato Carreira. Uma última palavra para os nossos leitores?
Renato Carreira: Pionés.

(Publicado a 27 Junho 2013)