Dizem deles próprios que é um documento visual para memória futura. Com base nas intervenções da troika, propõem-se reflectir e documentar, através da fotografia e do filme, as consequências e resultados na vida dos portugueses.

Dos oito olhares fotográficos e um nono pela lente de um realizador, dois são leirienses metidos aos barulho: a fotógrafa Lara Jacinto e o realizador Pedro Neves. A Preguiça falou com os dois. Lara Jacinto fala de emigração.

“A ideia de viagem remete-nos habitualmente para uma mudança desejada, para momentos agradáveis, que partem de uma vontade ou impulso. É muitas vezes um sonho antigo que esperamos concretizar um dia. Hoje esta ideia parece distante dos pensamentos daqueles que partem de Portugal com o objectivo de sobreviver a uma fase, que alguns dizem estar prestes a fazer parte do passado”, refere Lara.

A fotógrafa acrescenta que, no último ano, dezenas de milhares de portugueses saíram de Portugal com a esperança de encontrar a solução “que lhes é negada pelo país que aparentemente não chega para todos”.

A família fica para trás, há filhos que não se vêem crescer, casamentos que não se fazem, ou acontecem à pressa, projectos abandonados, expectativas desfeitas

“Esta viagem impõe uma separação, uma ruptura que obriga a uma mudança de rota. A família fica para trás, há filhos que não se vêem crescer, casamentos que não se fazem, ou acontecem à pressa, projectos abandonados, expectativas desfeitas”, aponta a artista.

Lara Jacinto menciona ainda o facto de, desde a década de 60, não haver tanta gente a sair do país, e que para muitos será uma viagem sem regresso: “Como partem estes portugueses? Em que circunstâncias? O que sacrificam? Como sobrevivem à partida os que ficam? Este ajustamento está longe de ser apenas financeiro”, conclui.

Pela lente da câmara de filmar, Pedro Neves aborda a temática sem papas na língua: “«Vivemos acima das nossas possibilidades», a frase mais fraudulenta da nossa história recente, serve apenas para esconder os verdadeiros males de um país que um dia ousou sonhar com melhores dias e que hoje se arrasta pelo chão. Um país que se encheu de corruptos que nos colocaram em causa o Estado Social, a protecção das minorias, dos mais desfavorecidos”, afirma.

“Uma frase que ajudou a Troika a destruir uma economia que sempre foi frágil, num país que nunca deixou de ser pobre. Nas filas da ajuda alimentar já não estão só os que sempre dela precisaram. De poucas dezenas o número cresceu para centenas, mesmo quando nos dizem que está a correr tudo bem. A Troika impôs-nos o vazio. O discurso das inevitabilidades. Apontaram-nos o dedo, fizeram-nos passar por culpados pelos roubos e fraudes, pela corrupção latente que mina todo o sistema. «Vivemos acima das nossas possibilidades» tem sido uma das frases mais ouvidas desde que chegou a Troika a Portugal”, declara Pedro Neves.

Ficámos todos mais pobres, financeira e culturalmente

Sob o olhar crítico que caracteriza Pedro Neves, o realizador leiriense aponta várias situações: “Venderam-se empresas lucrativas, reduziu-se o Estado Social, desinvestiu-se na educação de um povo que já não era muito educado, cortou-se na cultura que é a base civilizacional de um país. Hipotecou-se o futuro para pagar juros de uma dívida e acalmar a abstracção dos mercados desregulados e ditatoriais. Os interesses financeiros ficaram muito acima da preocupação com o desenvolvimento humano. Ficámos todos mais pobres, financeira e culturalmente.”

Quanto ao seu trabalho, o autor de Os Esquecidos desvenda: “O que pretendo, mais do que indicar caminhos, é que este trabalho ajude à reflexão, entre ganhos e perdas, entre opções e caminhos seguidos. Uma reflexão sobre o que fica de um país que nunca foi rico e que empobreceu de uma maneira brutal, em nome de um crescimento e de uma dívida pouco clara e que nunca foi alvo de auditoria”.

A ideia é editar os olhares em livro e também sob a forma de curta-metragem. Mas o projecto acarreta custos de edição – daí a aposta no crowdfunding. Os impulsionadores são Adriano Miranda, António Pedrosa, Bruno Simões Castanheira, José Carlos Carvalho, Lara Jacinto, Paulo Pimenta, Pedro Neves, Rodrigo Cabrita e Vasco Célio. Todos os outros, que quiserem apoiar a ideia, são bem-vindos.

Site oficial: http://www.projectotroika.com/
Facebook: https://www.facebook.com/pages/Projecto-Troika/1377449049169472

Entrevista de Pedro Miguel
Fotografia de Lara Jacinto
Trailer de Pedro Neves
(Publicado a 23 Janeiro 2014)