Gipsy Rose_11

Inês e Cila aprenderam com a mãe a dar valor às coisas antigas. Imaginar a quem terão pertencido, por onde andaram, em que ocasiões terão sido usadas ou até por que razão terão sido deixadas para trás fascina-as.

Comprar coisas antigas na net é algo que fazem há alguns anos e agora essa experiência e a rede de contactos que criaram ajudou-as a avançar com um negócio à sua medida.

Chama-se Gypsy Rose a loja que as irmãs de Monte Redondo abriram no centro histórico de Leiria e quem entra é convidado a viajar no tempo. Roupas, calçado, acessórios e bijuteria, tudo na moda de antigamente, que é como quem diz no estilo vintage.

Gipsy Rose

Gipsy Rose_7

Gipsy Rose_9

Identificam-se com esta estética por ser diferente, por ter história e personalidade. Aqui ainda há sapatos de verniz, camisolas com ombreiras, vestidos de saia rodada, blazers estampados, óculos de sol redondos e malas de viagem com fivelas. Ouve-se Elvis Presley e seus contemporâneos e até Marilyn Monroe foi convocada para o papel de parede.

Mas não é a única artista com destaque. O nome da loja foi inspirado em Gypsy Rose Lee, uma actriz americana que ficou conhecida como “a mãe do burlesco”, uma corrente teatral irreverente marcada pela sátira e a presença de meninas desnudadas.

Gipsy Rose_6

E se pensam que nesta loja só entram meninas com estilo pin-up ou rapazes rockabilly, estão enganados. Cila e Inês explicam que “os jovens, em particular as raparigas, dão cada vez mais valor a ter peças exclusivas e aqui encontram-nas. Não é preciso ter um estilo vintage para usar estas coisas. Elas podem ser misturadas com vestuário e acessórios actuais e ficarem igualmente bem”.

Gipsy Rose_2

Gipsy Rose_3

De portas abertas desde Dezembro passado, as irmãs dizem que o negócio começou bem, apesar de no último mês o mau tempo não estar a ajudar. Mesmo assim acham que “esta loja não faria sentido noutro sítio”, pois defendem que “este conceito só encaixa em loja de rua e na zona histórica de uma cidade”.

Faltam mais destas para não deixar morrer a nossa Rua Direita.

Texto de Paula Lagoa
Fotografias de Ricardo Graça
(Publicado a 13 Fevereiro 2014)