Sopa de massas _ O nariz_12

No domingo, a sopa dos pobres é servida mais cedo, pelas 17 horas, no Teatro José Lúcio da Silva. Será Sopa de Massa, azeda, amarga, picante, irónica e bem-humorada.

A prova da estagnação ou mesmo da regressão de um país encontra-se muitas vezes nos escritos que fazem hoje tanto ou mais sentido do que à data em que foram produzidos. Sopa de Massa é isso. É até mais do que isso. É um abre olhos, é um acorda pá vida que já é tempo, é um põe-te a pau que o próximo podes ser tu.

Há mais de um ano que O Nariz – Teatro de Grupo não traz ao palco a peça Sopa de Massa, adaptada de um texto de Constantino Alves, escrito há mais ou menos cinco anos e que satiriza uma sociedade decadente e desprovida de futuro, através de um homem cuja vida se desmoronou.

Sopa de massas _ O nariz_8

Sopa de massas _ O nariz_6

Sopa de massas _ O nariz_7

A propósito das comemorações do 20º aniversário d’O Nariz, o grupo de teatro de Leiria recuperou este monólogo trágico-cómico agora mais actual do que nunca. E porquê? Basicamente porque “mudaram as moscas mas a merda continua a ser a mesma”, explica Pedro Oliveira, que veste a pele de Filipe, o mendigo que deambula pela cidade, divaga sobre o que vê e se resigna à miséria.

Nesta peça cheia de mensagens subliminares, Filipe evidencia a linha que separa os pobres dos assim-assim e os assim-assim dos ricos. É tudo uma questão de massa. Na sopa ou no bolso, que diferença faz?

No seu discurso embriagado, malcriado mas literato, Filipe questiona o ensino, a política, a religião, a saúde, as instituições e os valores, ao mesmo tempo que estabelece um paralelo entre a sua desgraça e a desgraça do país.

A Preguiça assistiu ao ensaio da peça e garante que vale a pena ir ver. Se nunca se riram com a desgraça dos outros ou com a vossa própria desgraça, está aqui uma bela oportunidade. Domingo, 9 de Março, às 17 horas, no Teatro José Lúcio da Silva. Aproveitem!

Ficha Técnica:
Adaptação: Constantino Alves e Pedro Oliveira
Encenação: Pedro Oliveira
Interpretação: Pedro Oliveira e Gonçalo Pereira (ao Fagote)
Luzes e som: Hélder Nunes

Texto de Paula Lagoa
Fotografias de Ricardo Graça
(Publicado a 6 Março 2014)