Tatiana Neves_1

Já foi EMO, já emigrou, já lhe chamaram tudo e ela nem quer saber. Gosta de Kizomba e de house, tem milhares de seguidores no Facebook e anda à procura de emprego. Eis a miúda da Ranha de Baixo que é um fenómeno de popularidade nas redes sociais, e que afinal não vai para a Casa dos Segredos porque nem sequer se candidatou.

Quem nunca sofreu de generation gap que se esconda agora e já debaixo do cobertor, como se fosse Dezembro. Meninas e senhoras: Não vale a pena encolher a barriga até ficar sem ar, nem esticar o cabelo até arrepiar o couro cabeludo, tão pouco gastar os euros que não temos a comprar Wonderbras. Nada disso vos fará ficar iguais à Tatiana Neves. A não ser que tenham 20 anos, um corpinho bem-feito – que esticado dá qualquer coisa como 1,62 m, poucos quilos e um único objectivo na vida: aparecer.

A miúda ainda não está em si. Disse-o à Preguiça esta semana, à mesa de uma pastelaria em Pombal, a sete quilómetros da aldeia onde nasceu e vive, cenário quase sempre usado para as ousadas produções fotográficas que a catapultaram para a fama na internet. É na Ranha. Sim, na Ranha de Baixo. Soa estranho? Tivessem vocês nascido na Moita do Boi e tudo seria música para os vossos ouvidos, desde a Ranha de Baixo à de São João, passando pelo Outeiro da Ranha até aos Matos da mesma.

Em frente, que atrás vem gente e a rapariga tem de ir ali ser famosa antes que a idade avance. “Eu sei que tenho de aproveitar este momento”, diz a Tatiana, enfiada numas leggings castanho-toupeira que podiam servir a qualquer criança de seis a oito anos. Ela fez 20 em Agosto, e nessa altura já era famosa. “Tudo começou com as fotografias, eu sempre gostei de fotografia…” Tinha uma pequena máquina digital, empoleirava-a na estante do quarto, calculava os 10 segundos, “saltava para cima da cama e plim! Disparava”. Depois ofereceram-lhe uma máquina à séria, há dois anos – a famosa Canon 1100 D, com que se fotografa a ela própria. “Faço tudo sozinha, com um tripé e um temporizador”. Prendada que só ela, também faz sozinha muita da roupa a que chama artística, mesmo quando na caixa de comentários do Facebook uma larga maioria prefere designá-la como “roupa à puta“.

Ora aí estamos nós chegados ao busílis da questão. O sucesso da Tatiana começa aí mesmo, e mede-se em likes. A verdade é essa. Ela diz um “ai, que hoje está sol” igualzinho ao de milhentas pessoas e raparigas da idade dela, mas acompanha a frase com uma foto das suas. Num instantinho, tipo em 20 minutos, há seis ou sete mil almas que gostam daquilo. Depois chovem os comentários. Chamam-lhe nomes feios, apelidam-na de rapariga pouco séria. Foi por causa disso que ela fez o célebre vídeo das “piças p’ra vocês“, de piretes em riste. “Há muita gente que diz que eu não tenho educação, mas isso não é verdade… aquilo das piças é uma expressão muito utilizada na minha família. E foi assim, pronto”. Quem a ajuda nos vídeos é o primo Hélder, que mora lá perto.

Arranja-me um emprego
Tatiana Neves é filha única. Estudou até ao 9º ano no Colégio João de Barros, em Meirinhas. Chumbou duas vezes (“tive uns problemas de saúde”), depois emigrou com os pais para os arredores de Paris, mas o casal não encontrou nenhuma Gaiola Dourada e a família regressou à pacatez da Ranha de Baixo. Depois foi estudar para a ETAP (Escola Tecnológica Artística e Profissional de Pombal). Queria Design de Moda, mas já não havia. Lá se matriculou num curso de auxiliar de saúde, “mas não era aquilo que queria”. Era o quê, então? “Pois, não sei. Qualquer coisa de moda, de fotografia, agora até pensei ir fazer um curso multimédia.”

Tempo é coisa que não lhe falta, embora o tenha todo ocupado, desde manhã à noite. Diz que são paletes de mensagens que recebe no FB, vindas dos mais de 100 mil seguidores do perfil. Dizem-lhe que é gira, que é boa, outros fazem-lhe elogios em privado. As raparigas querem sobretudo saber como é que se maquilha, como é que faz aqueles calções com o rabo à mostra, “os glúteos, por assim dizer”. E ela farta-se de rir. Também recebe propostas indecentes, e outras mais disfarçadas, para sessões fotográficas e videoclipes. Agora a coisa começou a ficar mais séria – e mais rentável – pois que algumas marcas da web a descobriram e lhe mandam roupas e acessórios para que fotografe com eles. Dá-lhe jeito, confessa. Entretanto, continua à procura de emprego, coisa que se lhe afigura difícil porque o 12.º é uma cena que a ela não lhe assiste. De vez em quando manda currículos. Para fazer o quê? “Qualquer coisa em contacto com o público. Já trabalhei na Worten e também a servir às mesas, lá no Madeirense”, um restaurante à beira da nacional e pertinho de casa.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Anda cá ao pai
Pensando bem, Tatiana até encontra uma explicação ligeira para este sucesso alcançado na net. O pai, Avelino, “era um sex symbol da zona, quando era novo”. Novo assim do tipo com 20 anos, porque ainda só tem 40. Fazia furor em cima das colunas da Kiay e da D. Sebastião, conta ela. Até que se perdeu de amores por uma miúda de 15 anos, nasceu a Tatiana, e a vida deixou de ser uma cena do Grease ou um videoclipe dos A-Ha.

Posto isto, mãe e pai encaram com naturalidade o sucesso da estrela lá de casa. Em França e na Suíça os tios e primos também. Os avós idem, gente na casa dos 50 que se habituou a ouvir dizer na rua que a neta é gira que se farta. Os vizinhos também já não estranham quando a descobrem encostada às paredes a fazer poses para a fotografia, em cima dos bancos ou no meio da palha. E por isso acharam que era verdade o que dizia a TV Guia na edição da semana passada, quando a dava como certa na Casa dos Segredos da TVI. “Nunca me candidatei sequer”, diz a miúda, cujos contactos com a televisão se ficaram pelas mensagens trocadas via FB com o António Raminhos, do 5 para a meia-noite, e com a equipa do Curto-Circuito, na Sic Radical. O preço da fama é esse, e ela sabe. E ri-se.

Texto de Paula Sofia Luz
(Publicado a 25 Setembro 2014)