carlos_matos_preguiça

Entramos e sentamo-nos. Pedimos uma bebida e ao som de um rock ‘n’ roll começamos a conversar. Este mês sentei-me com o Carlos Matos. E se as conversas sobre música são sempre interessantes, posso garantir-vos que as conversas sobre cinema não lhes ficam atrás.

1. Qual foi o último filme que viste? Que dizes?
Foi Amores Perros (Amor Cão, em português), do mexicano Alejandro González Iñárritu. Um filme com três histórias diferentes que acabam por se cruzar num epílogo tocante e, de certo modo, inesperado. Cru e forte.

2. O teu top 3 de filmes:
Assim, de repente, ocorrem-me estes: O Grande Ditador, de Charlie Chaplin, pela mensagem estupenda e (ainda) actual, apesar de ser um filme de 1940; A Vida é Bela, ex-aequo com O Tigre e a Neve, ambos de Roberto Benigni, porque são filmes que nos fazem  chorar e rir (atenção que eu não disse “chorar a rir”);  e O Baile, de Ettore Scala, um musical mudo da década de 80, verdadeiramente peculiar.

3. O teu top 3 de realizadores:
Hum… talvez o Pedro Almodóvar, o Jean-Pierre Jeunet e o Kim Ki-Duk…

4. Um actor e/ou actriz preferido(a)?
Esta é muito fácil: Javier Bardem e Rita Blanco. Adoro actores que reperesentam como se não estivessem a representar.

5. Um clássico do cinema que andes sempre a adiar?
Eh pá… acho que esta resposta deve ser, ela mesma, um clássico: E Tudo o Vento Levou, pois claro.

6. O que te leva a ver um filme? O realizador? A premissa? O elenco? Tudo isto junto? Ou nada disto?
A maioria dos filmes vejo-os em casa e são fruto do zapping ocasional… Mas a decisão de qual escolho tem quase sempre a ver com o meu estado emocional. Tem que ser light quando ando demasiado stressado, ou mais alternativo/profundo quando ando mais descontraído. Se me perguntasses “O que te leva a comprar um filme” responder-te-ia de outra maneira…

7. Que filme viste tantas vezes, ao ponto de saberes as falas de cor?
O filme que vi mais vezes é mudo, por isso não tive de decorar as falas [risos]…  Foi O Lírio Quebrado (Broken Blossoms), de D.W. Griffith, realizado em 1919.

8. Qual o filme da tua infância?
Foi, sem dúvida, o E.T. – Extra-Terrestre.

9. Qual o teu filme de animação favorito?
É o Belleville Rendez-Vous, de Sylvain Chomet, realizado em 2003. Já o vi vezes sem conta. E, curiosamente, também não foi preciso decorar nenhuma fala, pois o filme também é mudo. Reparo que esta entrevista está a servir-me para descbobrir uma tendência que ainda não tinha reparado em mim…

10. Um momento cinematográfico do qual te lembras recorrentemente?
Aquela cena em que um gajo desfaz a cara de outro com um extintor de fogo, no Irreversível, de Gaspar Noé, impressionou-me tanto que ainda hoje me questiono como é que aquilo foi feito. Aliás, nesse filme, a violação da Monica Bellucci também é algo que impressiona pela sua aparente veracidade.

11. Choras a ver cinema? Um momento de ir às lágrimas:
Sou um “cinéfilo” muito piegas, mas o filme que mais me comoveu foi, provavelmente, Vai e Vive (Va, Vis et Deviens), de Radu Mihaileanu…

12. Se fosses uma personagem de cinema, qual serias e porquê?

Seria o Batman, sem dúvida! Para não perder os meus hábitos noctívagos e sombrios… muahahahaha!

13. Com que personagem do mundo do cinema gostavas de ter uma conversa de café?
Com nenhuma. As personagens são ficção e uma conversa com alguém que não existe na vida real seria sempre uma falácia.

14. Que banda sonora cinematográfica poderia ser a banda sonora da tua vida?
Qualquer uma do Danny Elfman. Admiro a sua forma de compor e sou fã dele desde o tempo em que Danny tinha os Oingo Boingo, em Los Angeles, nos anos 80…

15. Que banda ou músico que nunca tenha trabalhado em cinema, na composição de bandas sonoras, achas que o deveria fazer? Porquê?
Conheço muitas bandas com sonoridade cinematográfica, mas entre todas, acho que os The Deadfly Ensemble, Sopor Aeternus & The Ensemble Of Shadows, Parzival ou Rosa Crvx escreveriam óptimas bandas sonoras, sobretudo para filmes de índole mais sombria, mística, épica ou misteriosa…

Entrevista de Catarina Mamede
Ilustração de Rui Cardoso
(Publicado a 30 Outubro 2014)