Tinhosas, velhas, aprumadas, coloridas, bolorentas, com pombos, cagadas, num brinco, modernas ou do tempo da Maria Cachucha. Usadas e suadas, abandonadas ou acarinhadas, envoltas num azulejo imaculado ou num aglomerado de cabo descarnado e mal enrolado. Pouco nos interessa. O que apresentamos aqui é um estudo pouco cuidado e com a exactidão que nos caracteriza sobre as 10 portas com mais pinta desta terra. E quando dizemos estudo, queremos dizer fotografias, porque nem as moradas, nem qualquer outro tipo de informação é dado neste trabalho. E quando dizemos 10, estamos a dizer todas as que achámos em meia tarde de passeio pela cidade. Podíamos ter falado com arquitectos, marceneiros, porteiros ou designers de interiores, mas achámos que o acaso seria tão bom conselheiro como qualquer um dos outros. E serão mesmo estas as portas mais belas da cidade de Leiria? Quem sabe! Claro que vocês podem ter a vossa opinião, e nós respeitamo-la… desde que seja igual à nossa. 

As portas serão apresentadas de forma aleatória. Isto não é um campeonato. Se não tiverem nada melhor para fazer, podem tentar descobrir onde é que fica cada uma, ou qual é a mais linda de todas. O que fazem da vossa vida é convosco.

Portas de Leiria_1

Portas de Leiria_37

Portas de Leiria_36

Portas de Leiria_35

Portas de Leiria_31

Portas de Leiria_30

Portas de Leiria_29

Portas de Leiria_28

Portas de Leiria_27

Portas de Leiria_24

Portas de Leiria_23

Portas de Leiria_22

Portas de Leiria_20

Portas de Leiria_17

Portas de Leiria_16

Portas de Leiria_14

Portas de Leiria_12

Portas de Leiria_11

Portas de Leiria_9

Portas de Leiria_8

Portas de Leiria_7

Portas de Leiria_5

Portas de Leiria_4

Portas de Leiria_3

Portas de Leiria_2

E preparem-se para as cenas dos próximos capítulos. As maçanetas mais txa-na-naaam em que essas mãozinhas alguma vez tocarão. Para vos aguçar o apetite, deixo-vos este cão de cabeça para baixo, que, visto de alguns ângulos, é ligeiramente igual a uma pila pequenina e fininha.

Portas de Leiria_21

Texto e fotografias de Ricardo Graça
(Publicado em 23 Abril 2015)