Saldos 1

 

A época da correria às zaras e bershkas desta vida começou há uma semana. As lojas já se encheram de material que não lembra ao menino jesus, de etiquetas vermelhas a dar a conhecer as pechinchas (quando as há), de caçadores furtivos, prontos para entrar na selva e levar tudo à frente por causa daquele top, a 3,99€, que na semana passada custava 5 euros. Verdadeiras pechinchas, portanto. A Preguiça, como boa conselheira, deixa aqui algumas dicas de como se comportarem durante esta época.

O tamanho importa: Se és gaja e vestes o S ou calças o 37, não esperes pelas últimas baixas. Nessa altura só vais encontrar peças de roupa que te vão fazer sentir um verdadeiro saco de batatas.

O tamanho importa (parte 2): Se és gajo e vestes o L ou o XL e calças o 44, espera pelas últimas baixas. São tamanhos que nunca se esgotam.

A hora também importa: o ideal é levantares o cuzinho da cama e tentares chegar à loja durante a primeira hora depois da abertura. Está tudo arrumadinho e os funcionários ainda estão com paciência para atender os teus 10 pedidos. Além disso, a essa hora ainda não passou um furacão – mais conhecido por mulheres, que conseguem a proeza de fazer com que 30 metros quadrados de roupa dobrada e pendurada passe a parecer o recinto total da feira semanal de Leiria. E tudo isso em meia dúzia de minutos. Elas que me desculpem, mas nestas alturas do ano transformam-se. Há todo um espírito animalesco e selvagem do sexo feminino que vem ao de cima. Eles continuam pacíficos, nem desdobram a peça para não desarrumar. Conseguem perceber se gostam ou não assim só com uma vista de olhos sobre 30 por cento da peça de roupa.

A hora também importa (parte 2): Nunca chegues 15 minutos antes de a loja fechar, nem andes a passear na loja como quem anda a ver montras – se queres fazer isso, vais para a rua. O mais certo é teres um funcionário sem paciência para te aturar, capaz de te ignorar e até mesmo mentir e dizer com a maior tristeza do mundo (e a maior lata também): “já não temos essa peça”, com as prateleiras do armazém cheias daquilo.

Quando são as próximas baixas?: Não vale a pena perguntares aos funcionários das lojas quando é que os preços voltam a baixar, até porque eles são sempre os últimos a saber!

Não jogar às escondidas com os funcionários: não tentes esconder aquela t-shirt de que tanto gostas, mas que ainda não está a um preço irresistível, atrás daqueles casacos de inverno, ou debaixo das calças de ganga. Pode parecer que não – isto porque não ligas nenhuma à dica número 3 e chegas à loja depois da primeira hora de abertura – mas os funcionários arrumam tudo no lugar outra vez. E não lhes escapa nada.

Não fazer pedidos ao quadrado: Não penses em ti como o centro das atenções e não faças o mesmo pedido aos três funcionários, só porque estás com pressa para ir virar mais uma loja de pernas para o ar. O mais provável é eles aperceberem-se disso e, aí sim, vais mesmo de mãos a abanar. Funcionários de lojas de roupa unidos jamais serão vencidos!

Melhor do que aproveitar os saldos é aproveitar as dicas de quem vos fala por experiência própria, quem conhece por dentro as zaras e bershkas desta vida. Com 100 por cento de garantia e sem defeito.

Texto de Joana Areia
Fotografia de Ricardo Graça
(Publicado a 2 Julho 2015)