Está quase a chegar o III Museum Festum, assim se chama o evento que decorre nas traseiras do museu de Monte Redondo. Caso tenham dúvidas em reconhecer o local, não há nada que enganar: tem uma réplica da Torre Eiffel à porta.

Por estes dias, a Eiffel de Monte Redondo até está a ser restaurada, que é como quem diz, está a pôr-se bonita para as festividades, mas tudo estará no sítio e pronto para os dias 7, 8 e 9 de Agosto, perante o olhar atento das mascotes lá do sítio: o bode Alecrim e o burro Rosmaninho.

Este contacto e respeito pela Natureza é, aliás, um dos pontos de honra do festival, em harmonia com a flora já existente do recinto, com casas de banho ecológicas, um tanque ecológico – sim, pá, vai haver piscina!! – feitos de materiais não poluentes.

Há também uma atenção à permacultura: num design cíclico, os restos orgânicos em decomposição que contêm nutrientes, quer das casas de banho quer mesmo dos dejectos do burrico Rosmaninho, são aproveitados como combustível natural.

É neste ambiente sustentável e socialmente justo que a organização apela à participação de todos, através da sua colaboração. Identificam o evento como uma festa cultural e participativa, que visa o desenvolvimento da comunidade através da arte e da educação, e cujos esforços e lucros revertem para as despesas inerentes ao evento, mas também, e sobretudo, para o Museu Etnológico do Casal de Monte Redondo, que alberga o festival.

Não é por acaso que o III Museum Festum está associado ao Movimento Internacional para uma nova Museologia – MINOM, cujo percurso está ligado a conceitos como a Museologia Social e mais recentemente a Sociomuseologia, e que comemora 30 anos de actividade.

A entrada é livre, mas a organização – feita por voluntários que colaboram nas mais diversas áreas e formas de expressão, quer cívica quer artística, seja no concelho ou a nível nacional – apela, no entanto, à contribuição de todos, comprando uma rifa ou deixando um donativo que ache justo.

Quanto à festança propriamente dita, há rock, sons mais experimentais, música de dança, DJs, projecção de filmes, um desfile de moda, ateliers diversos, conversas abertas, jam sessions, tudo isto espalhado por três palcos, tendas de exposições, zonas de refeição, área infantil, zona de chill out, zona de campismo com chuveiros e a já citada piscina.

A Preguiça foi ao recinto ver o work in progress:

Podem aceder à vasta programação na página de Facebook, em https://www.facebook.com/museumfestum.mr

Texto de Pedro Miguel
Fotografias de Bruno Carnide e Museum Festum
(Publicado a 30 Julho 2015)