Mulligans_8

Ora, se o Natal é quando um homem quiser, uma cerveja lançada em Dezembro pode ser falada em Setembro, assim até parece que estamos três meses adiantados. Chama-se Mulligan’s e é vendida no estabelecimento de bebidas com o mesmo nome. A única cerveja artesanal de autoria leiriense. Ou, pelo menos, a única cerveja artesanal de autoria leiriense que já provámos. Existindo mais, avisem, estamos disponíveis para lhes fazer o test-drive.

Fomos apresentados a esta beleza na sua própria casa, em Leiria. Não é loura nem morena, mas ruiva, como as mais vistosas raparigas de Dublin. Tem duas mães – Liliana Ponces e Regina Ponces, proprietárias do Irish bar da Rua Tenente Valadim – e um pai, que dirige uma fábrica de cerveja artesanal para os lados de Braga. Para o grande desenlace foi tudo combinado como nos partos modernos: elas pediram uma red ale e ele marcou dia e hora para lhes entregar a criança – cheia de personalidade, mas suave, paciente e empática.

Portanto, vamos lá fazer de conta que somos mais do que um conhecedor de cerveja na óptica do utilizador. Diz que o segredo da Mulligan’s é o lúpulo dos bosques ingleses. Que além de soar melhor do que o lúpulo da baixa da banheira está lá para conferir um aroma fresco à mistura e impedir que a torrefação intermédia do malte se torne enjoativa. Mas a Liliana Ponces explica melhor: “Começámos por querer desenvolver uma Irish red ale e o primeiro lote saiu assim, mas depois sentimos necessidade de a ajustar ao gosto português e então ficou mais amarga e gaseificada. Fomos afinando e agora é uma red ale à nossa moda”.

Mulligans_4

Importa dizer que se trata de cerveja não filtrada, que fermenta na garrafa e estagia durante um mês. Com leveduras líquidas naturais para realçar os aromas. Tudo isto – e esta é a parte importante – chega por quatro euros em unidades de meio litro, com seis graus de teor alcoólico.

Sim, é mais um daqueles momentos back to basics que estão na moda: voltar às origens, humanizar as rotinas, preferir o manual ao industrial, trocar o standard pelo exclusivo, viver mais vezes mais devagar, lembrar mais vezes que tudo se resume ao momento – aqui e agora, como na contracapa dos livros de auto-ajuda.

Portanto, peguem no copo à vossa frente para um brinde às novidades: antes do final do ano, vai haver Mulligan’s à pressão, e, mais dia menos dia, a marca começa a ser distribuída noutros estabelecimentos. Se nada disto vos convence, não deixem de ir ao número 10 da Rua Tenente Valadim. Vão na mesma e peçam uma das 35 cervejas da carta. Quase todas, também, artesanais.

Texto de Cláudio Garcia
Fotografia de Ricardo Graça
24 Setembro 2015