[mpc_vc_share_list title=”” facebook=”1″ twitter=”1″ google_plus=”1″]

Texto
Joana Areia

Fotografias
António Gomes

19 Novembro 2015

Ele tem um dom. Sabe trabalhar o açúcar como quem trabalha o vidro, soprando. Percebe de desenhos animados como ninguém. Quem lhe tira a massapão tira-lhe tudo. Tem formação em áreas como chocolates ou bombons, mas na verdade o João Rato é mais bolos.

Começou a fazer uns biscates na área da pastelaria, porque precisava de dinheiro para comprar umas sapatilhas. Desde então – e já lá vão 17 anos – nunca mais parou. Quanto às sapatilhas, não houve tempo nem para escolher a cor.

Apercebendo-se da destreza do miúdo, que na altura tinha decidido deixar os estudos na área das artes, Armando Rato, o padrinho e proprietário da Brisanorte, incentivou-o a investir na área da pastelaria. Daqui até chegar ao cake design foi um instantinho. Isso e os ensinamentos do chef pasteleiro, Fernando Gaspar, que partilhou os conhecimentos com o pupilo.

Na altura, o cake design era algo pouco comum. Valia-lhes Debbie Brown e o seu livro Party Cakes (1993), “uma autêntica bíblia para quem começava a trabalhar nesta área”. Actualmente está em constante evolução. “Temos cada vez mais trabalho e os clientes são cada vez mais exigentes, por isso temos de ser diferentes, arrojados.” Contudo, João lembra que também é uma área de modas. Era possível, no mesmo fim-de-semana a montra da pastelaria se transformar num encontro nacional de Hello Kitty ou o parque de estacionamento do Cars. “Isto obriga-nos a estar informados acerca dos desenhos animados que estão actualmente na moda”.

Quanto a pedidos estranhos, acontecem, normalmente, quando há festas de despedidas de solteiro/solteira, mas João garante que tudo se concretiza, mesmo no Verão, quando a massapão está mais mole. É nesta altura que o forno funciona a todo o gás, uma vez que acontecem mais festas.

Quanto ao tempo é muito relativo, pode demorar 5 minutos a decorar ou um dia inteiro, e, dependendo da complexidade dos bolos, alguns podem ser começados no dia anterior. É um trabalho de pormenor, muito minucioso e João tenta ao máximo fugir aos moldes e aos decalques. Prefere dar um toque pessoal a cada bolo. Tão pessoal que muitas vezes não se pode comer. E desengane-se quem pensa que é porque aquela “plasticina” está intragável. Não! É porque o cliente se afeiçoou de tal maneira ao bolo que não deixou os convidados provarem. Foi congelado. Podem encontrá-lo num qualquer frigorífico de Leiria. True story.
Para além de ser comestível, a massapão também é muito boa para quem quer ganhar tendinites. Que o diga João: “pode rondar os 30 bolos por sábado!”.

Fernando Mendes, Herman José, Rui Veloso ou a Palace Kiay foram alguns dos privilegiados a terem um bolo desenhado pelo João. Contudo, o cake designer vê todos os clientes da mesma maneira e tem sempre o mesmo objectivo: surpreender. E, apesar de dedicar várias horas do dia à doçaria, sai sempre de coração cheio, porque faz o que gosta e tem o reconhecimento dos clientes.

Para ver os trabalhos do João, que já está em modo Natal, é clicarem aqui. Para as encomendas é mais isto: info@brisanorte.pt.