[mpc_vc_share_list title=”” facebook=”1″ twitter=”1″ google_plus=”1″]

Texto
Eduardo Luís

26 Novembro 2015

Hoje iremos descrever um pouco de tudo o que está por detrás da gigante máquina que é o Facebook (e seus derivados). O que acontece quando fazem um simples LIKE, ou quando partilham aquela icónica imagem dos vossos amigos em poses lastimáveis.

Já muitos de vocês sabem o início da história. Tudo começou há quase 12 anos na Universidade de Harvard. Com umas tantas quezílias pelo meio, Mark Zuckerberg lá conseguiu ficar o “famoso” pela criação de uma das primeiras redes sociais (ainda vocês usavam fraldas) que se resumia apenas a Harvard e poucas outras universidades dos arredores. Era uma novidade como nunca antes vista. O sucesso foi tanto com a partilha de fotos, comentários e a possibilidade de escolher os amigos com quem se partilhava a informação que a rede cresceu exponencialmente.

Hoje conta com cerca de:
1,55 biliões de utilizadores activos todos os meses.
300 milhões de novas fotos todos os dias.
700 milhões de mensagens trocadas pelo Messenger
45 biliões de mensagens/comentários trocados todos os dias.
8 biliões de visualizações de vídeos todos os dias.
400 milhões de utilizadores no Instagram todos os meses – Sim, o Instagram é do Facebook
Quanto ao Whatsapp (também do Facebook) não há números
Mais de 60.000 servidores espalhados por vários pontos do globo

As infra-estruturas são tão grandes e complexas que houve a necessidade de eles criarem os seus próprios servidores e routers – pontos de ligação entre locais; quer por uma questão de optimização interna quer por uma questão de poupança energética.

Sempre que abrem a vossa página do FB, são efectuados vários pedidos de pequenas informações a vários servidores de forma a que a página seja composta e apresentada na forma que a vêem. Ao clicar num LIKE, o vosso computador envia um pequena informação para um dos servidores que trata de a replicar para outros em apenas alguns milissegundos.

Se acham que têm uma boa quantidade de armazenamento e discos externos em casa para guardar as vossas fotos, o que dizer dos vários data centers espalhados por vários pontos do globo.