[mpc_vc_share_list title=”” facebook=”1″ twitter=”1″ google_plus=”1″]

Texto
Catarina Sacramento

Ilustração
João Pedro Coutinho

9 Janeiro 2016

Paulo Kellerman convida e coordena, nós damos a caneta e o papel, depois é só juntar talento e os contos nascem. De 15 em 15 dias, há ficção na Preguiça Magazine.

ELECTRIC LOVE
MEMÓRIAS DE UM ANIMAL INCONSOLÁVEL
CATARINA SACRAMENTO

Esta é a história de um amor platónico entre um porco e uma tomada eléctrica.

Ele mirava-a, mas só de longe, sem coragem de se aproximar. Ela povoava os seus sonhos, invadia os seus pensamentos e preenchia as suas melancólicas divagações. O porco vivia na esperança de um dia obter alguma resposta, o mínimo sinal de reciprocidade. Mas esse tão esperado dia tardava em chegar.

O porco começava a impacientar-se, com as angústias típicas de um coração enamorado, e resolveu tentar uma abordagem mais arrojada. Encheu o peito de ar, para que os músculos saltassem à vista (afinal, era um leitãozinho semiatlético), alisou o pêlo e começou então a caminhar em passos firmes e ritmados rumo ao seu novo amor, grande demais para que o pudesse deter.

Mas este encontro tão desejado estava à partida condenado. Era esse o preço a pagar para que ficasse anotado na História (e o quê, mais do que isso, pode um porco desejar?) como um belo, porque trágico, episódio romântico.

A coragem do nosso suíno invadiu-o de súbito e, num ápice, avançou para a tomada e juntou o seu focinho rosado ao dela, realizando o sonho que há tanto cultivava.
Mas tal acto irreflectido foi fatal e logo esticou os quatro pernis e de nada lhe serviu pentear tão bem o pêlo.

Foi a primeira morte por beijo eléctrico. E um grande choque também para a tomada, que desconhecia a sua veia assassina. Reza a lenda que a tomada, assustada com a perigosa descoberta, sentiu quão incontrolável era essa sua tendência e qual o destino que iriam ter todos os que dela se aproximassem. E pediu então a Vulcano que a trespassasse com um raio e que a ira divina projectasse nela mal semelhante ao que ela causara. E assim aconteceu, definindo para sempre a incompatibilidade entre o mundo animal e tecnológico.

(Com base no romance de Asterisco Arisco, única testemunha do acontecimento, algures na Arábia Saudita, onde porcos e tomadas não havia, mas havia uns cogumelos muito saborosos, que punham as pessoas bem-dispostas e traziam à vida novas dimensões cósmicas.)