[mpc_vc_share_list title=”” facebook=”1″ twitter=”1″ google_plus=”1″]

Texto
Eduardo Luís

Fotografia
Rui Miguel Pedrosa

10 Março 2016

Geocaching. Não sei se este termo é novo para muitos de vós ou não. Hoje há estudos para tudo e um par de botas, mas não encontrei nenhum sobre a percentagem de pessoas que já ouviu falar neste verdadeiro tesouro ou até que o tenha já experimentado. Uma coisa é certa – eu já pratiquei e é uma aventura com amigos e/ou familiares que dificilmente irão esquecer. Aquele mistério de andar à procura de algo através de pistas deixa-nos com os níveis de adrenalina em altas.

Mas afinal o que é o geocaching e como está relacionado com tecnologia? É um “desporto” de ar livre que nos traz a verdadeira experiência da caça ao tesouro, com a ajuda de smartphones ou tablets com GPS – ou apenas aparelhos GPS dedicados.

Ao contrário do que possam pensar, esta prática está fortemente implantada pelo mundo inteiro, pelo país inteiro e por mais pasmados que fiquem, pela vossa localidade – quer mores em Leiria, Lisboa, Coimbra, Vale de Cambra ou atrás do sol posto, há sempre caches para encontrares… sempre!

Esta comunidade global está toda interligada pelo seu ponto central – um website onde estão registadas todas as caches (tesouros) pelo mundo inteiro. Após o registo, estão aptos a descobrirem todos os tesouros à espera de serem encontrados perto da vossa localidade. Serão presenteados com uma lista e podem começar a escolher através da história da cache, do nível de dificuldade, do número de likes, localização… Em seguida, o melhor será descarregar a aplicação para o vosso smartphone (Apple, Android, WindowsPhone) e a partir daí é meterem-se à aventura com a família ou amigos. O ponto de partida serão sempre as coordenadas GPS que a cache vos fornece. Depois, a aventura está aí!

Mas afinal, em que consistem estes tesouros? Podem ser pequenas caixas, caixas de tupperware com pequenos objectos lá dentro e contêm sempre um logbook. É um registo em papel com o vosso username (nome), a data em que encontraram aquela cache e podem deixar algumas palavras sobre a vossa experiência com a aventura. Podem – e devem – registá-la igualmente na plataforma para que fiquem com o registo do que já fizeram.

Quando o tempo melhorar, vão para a rua, aventurem-se neste desporto e vão ver que é uma experiência única.

Vou deixar aqui uns trechos de algumas caches em Leiria para vos abrir o apetite e verem a dinâmica da linguagem e do vosso comportamento – esta primeira já a fiz, e foi… amazing!

Nome da cache: A vida nocturna no Lis. Descrição: esta cache deverá ser procurada de noite, caso contrário não será possível concluí-la. Terão um percurso relativamente rápido, e em poucos minutos chegarão ao seu final. Como somos os NocturnosBike, e na maioria das vezes deslocamo-nos às caches de bicicleta, teríamos de ter um percurso totalmente ajustado para quem quisesse percorrer assim livremente todo o caminho. Para chegar ao ponto final, terá de seguir todas estas instruções:
1º – Desloque-se até às coordenadas iniciais
2º – Ligue a lanterna ou um frontal (recomendamos um frontal por ser utilizado ao nível da visão).
3º – Procure o primeiro sinal (este sinal tem o nosso logo “Nocturnosbike”)
4º – Comece a aventura… seguindo todos os sinais
5º – Quando encontrar dois sinais no sentido horizontal… está quase a terminar. Aqui procure a “dica 1”
6º – Coloque no on
7º – Desligue a sua luz (a sua lanterna ou frontal)
8º – Veja a “dica 2” que o encaminhará ao container final
Requisitos: Lanterna ou frontal (é recomendável ter de uma boa iluminação), pilhas extra, GPS, boa disposição
Informações úteis:
– Todo este percurso foi analisado/estudado ao pormenor já há algumas semanas para que não existissem contra-tempos. Só podem deslocar-se para outro local após visualizar o sinal seguinte; nunca siga outro rumo sem avistar o próximo sinal.
– Todos os sinais se encontram a mais de 3 metros de altura, ou ao nível dos pés.
– Os sinais são de cor branca ou de cor laranja e nenhuma destas cores tem um significado especial, ou seja o sinal branco representa a mesma função que o sinal laranja: ambos têm como função indicar o caminho.
– Não existe qualquer código para o seguimento dos sinais: o facto de o sinal se encontrar à direita ou à esquerda não significa virar à direita ou à esquerda, quer dizer, isso sim, que o caminho é por ali.
– Quando existe uma mudança de direcção, esta está totalmente bem indicada, por isso limite-se a seguir caminho, após encontrar o próximo sinal.
Esperamos que vos proporcione uma boa dose de diversão, porque a nós deu-nos um enorme prazer elaborar esta cache. Qualquer dúvida ou sugestão, estamos sempre totalmente disponíveis, basta enviarem-nos uma mensagem.
Conteúdo inicial da cache:
Logbook nocturnosbike
– Caneta
– Carimbo autotintado Nocturnosbike (Atenção: O carimbo não é um objecto de troca, serve para fazerem uma marca no vosso log e deixarem outra vez no container)
– Travel Bug
– Pequenos objectos para troca
Esta cache é muito simples… Não complique… e aproveite o passeio…
PS – Agradecemos que não tirem fotos ao local final da cache para não estragar a surpresa às visitas seguintes…
Pistas:
Dica 1 – Abre a caixa que se encontra a 1,50 metros do sinal final
Dica 2 – Vai acima e atravessa quase até ao fim, olha aos teus pés com atenção e segue a luz

Nome da Cache: T0 com vista para a cidade
Descrição: Sensacional oferta! Apesar de algo exíguo, em espaço, o ambiente é bastante genuíno e a decoração “ao natural” marca pela diferença. Temperatura ambiente constante e sistema de ventilação ecológico. O acesso à porta de entrada faz-se a partir do parqueamento (lá em baixo), e é um pouco agreste, mas assim afastará quem possa incomodá-lo no seu descanso ao fim de dia. Visitas possíveis a qualquer hora, mas como ainda não tem a instalação eléctrica é recomendável o uso de uma lanterna. Quanto ao preço pedido por esta exclusividade, será a melhor das ofertas deixadas por vós durante a visita no livro que existe no seu interior.
A cache: Uma curta caminhada (ou escalada) com algum cuidado em zonas de terreno (ou pedras) menos firmes. Devido às características do local, é de esperar algum erro nas coordenadas.
Pista: Num espaço de arrumação à esquerda, em cima e quase lá no fundo.

Nome da cache: Porta da Traição
Descrição: Fazendo esta cache visitarás um dos mais belos castelos de Portugal, assim como ficarás a conhecer o local onde se passou a lenda que aqui relato. D. Dinis, o lavrador, e sua esposa, a rainha Santa Isabel, habitaram este castelo. A rainha é conhecida pelos seus actos piedosos e pela ajuda aos pobres. O Milagre das Rosas é amplamente conhecido e retrata essa sua faceta. Reza a lenda que a certa altura correu a notícia de que a rainha abandonava o Castelo durante a noite. Com receio que a sua esposa andasse a atraiçoá-lo, D. Dinis mandou investigar por onde é que ela saía e com que propósitos… Assim, quando abandonava os seus aposentos durante a noite, a rainha Isabel foi seguida. Descobriram que abandonava as muralhas do castelo por uma porta secreta e ia… dar de comer aos pobres que ali se reuniam à sua espera. A porta ficou assim conhecida como a Porta da Traição. A cache situa-se junto a ela. Dirige-te ao Castelo seguindo as placas. Para aceder à cache não tens de entrar no seu recinto. Não leves as crianças até à cache, leva-as, sim, ao Castelo e a visitar o Núcleo Museológico da Torre de Menagem. É muito interessante. Há ainda uma surpresa… tira fotografias mas não as publiques aqui…
Pista: A um metro de um candeeiro e a um metro do chão

Nome da cache: A.D.R.Barreiros
Descrição: A cache encontra-se junto a uma estrada muito movimentada, por isso sejam discretos nas buscas. Por favor, não colem autocolantes no logbook após registarem a vossa visita. Levem material de escrita. A cache não está nem no contador nem na instalação eléctrica, por favor não mexer…
Pista: Na entrada

Nome da cache: Mata
Descrição: A cache encontra-se no parque de merendas dos Parceiros, um sítio calmo e sossegado onde podem desfrutar de um belo piquenique em contacto com a Natureza. Para poderem encontrar a cache têm de encontrar na coordenada inicial os números que faltam.
39º44.848-A
008º51.322-B
A – são três números
B – são três números
O A e B estão por esta ordem no local
Pista: Não tenham medo

Estão assim apresentadas algumas aventuras. Com a prática irão ver que existem as multicaches (na minha opinião, as mais divertidas) e que existem caches boas e outras fenomenais – mas o resultado final só mesmo no terreno e o que interessa é passar um bom bocado na caça ao tesouro.

Agora desandem!