Doida por viagens e com jeito para o desenho e a fotografia. Mara Mures é a rapariga que montou aquela bela exposição ‘Check-in’ no Atlas Hostel, acompanhada por textos de Catarina Dias.

Mara, que tal começares por falar sobre o teu gosto de viajar?
Desde cedo que não me conformo em ficar parada à espera que as coisas aconteçam. Gosto de explorar, de me aventurar e de aproveitar todos os dias. Para mim viajar é um meio para fugir à rotina e de estar em contacto com ambientes diferentes.

Que países já visitaste?
Quando tinha uns 4 anos, fui com os meus pais de carro por Espanha, França e Suíça. No Verão passado fiz Serviço Voluntário Europeu (SVE) na Roménia e dei um salto à Hungria. Depois, em Setembro, fui à Noruega e à Dinamarca num intercâmbio de escola. Nestas férias do semestre, em Janeiro, aventurei-me com a minha prima Helena por terras italianas. E recentemente, em Fevereiro, voltei à Roménia, onde participei num intercâmbio europeu, fizemos uma expedição super hardcore nas montanhas, onde podíamos encontrar desde lobos, veados e ursos, até chuva, frio e neve.

Qual foi a viagem que mais te marcou e a que menos te marcou?
O SVE de dois meses na Roménia foi a melhor experiência que tive até hoje, foi um Verão incrível. No meu projecto éramos 14 participantes, de 6 países europeus, fizemos voluntariado com a comunidade local e campos de férias para crianças. Nos tempos livres aproveitávamos para ir a lagos, montanhas, festivais e muitas festas. A viagem que menos me marcou talvez tenha sido quando eu era criança: mal me lembro, só vendo as fotografias.

Nesta exposição os teus desenhos, as tuas fotografias e as tuas lembranças saltam à vista de qualquer pessoa, nem que seja para fazer um pingo de inveja. Era este o teu objectivo, despertar a atenção e cativar o público para aquilo que é o verdadeiro significado de viajar?
Não era para meter inveja [risos], mas para despertar, ao público, a vontade de sair da rotina, aventurarem-se e aproveitar todas as oportunidades que apareçam na vida para ser feliz. Com pouco dinheiro também se vai ao longe, é preciso é vontade!

Como surgiu a ideia desta exposição?
Esta exposição surgiu com uma proposta do Ricardo Romero, ele sabia que eu desenhava e convidou-me para expor, e finalizar no projecto dele, o “Walls”.

Que conselhos dás aos leitores da Preguiça que gostam de viajar ou, pelo menos, sonham um dia fazê-lo?
Fácil: peguem nas vossas mochilas, encham-nas de energia e façam-se à estrada. Não tenham medo: é com experiências boas ou menos boas que crescemos. Não fiquem à espera de que vos ofereçam uma viagem ou que vos calhe o euromilhões, isso nunca vai acontecer [risos].

Consideras-te uma “dona do mundo” ou achas que ainda falta fazer muito “check-in”?
Dona do mundo nunca serei. Ainda não cruzei continentes, ainda há muito por descobrir e experimentar. A pouco e pouco percebemos que o mundo realmente é pequeno e que tudo é possível fazer.

A exposição ‘Check In’ pode ser vista no Atlas Hostel, que fica na Rua Barão de Viamonte, 59, em Leiria.