Esta semana vou dar-vos a conhecer um personagem no mundo das tecnologias que poderá vir ainda a ser conhecido como o homem que mudou o mundo – ou pelo menos o próximo Einstein ou Thomas Edison.

Estou a falar de Elon Musk – um engenheiro, visionário, inventor, multimilionário e magnata no mundo dos negócios. Nasceu na África do Sul em 1971, já revoluciona as nossas vidas desde muito cedo e tem neste momento novas ideias na manga.

Para verem como pensa este homem, ainda este mês numa entrevista, Elon Musk afirma que existe uma hipótese em milhões de nós não existirmos na realidade mas sermos fruto de uma virtualização computacional de uma outra civilização avançada. Apesar de parecer uma verdadeira anedota, este homem é um visionário e temos de lhe dar crédito por tal.

Musk é um dos poucos homens da actualidade que tentam mudar radicalmente a forma como vivemos moldando o mundo à nossa volta. Vamos conhecer um pouco mais este visionário e habituem-se a ouvir este nome mais vezes no futuro – Elon Musk.

Fundou em 1995, com o seu irmão, uma empresa de software web com o nome de ZIP2. Mais tarde foi vendida à Compaq por 307 milhões de dólares.

Fundou o X.com com o dinheiro que adquiriu da ZIP2. Esta empresa veio a tornar-se aquela que muitos de vocês conhecem hoje em dia: paypal.com. Em 2002 esta é comprada pelo eBay pela módica quantia de 1,5 mil milhões de dólares.

Em 2002 começa um esboço de algo revolucionário – o projecto SpaceX. Este projecto teve como ideia inicial o envio de uma mini estufa para Marte contendo culturas alimentares no sentido de recuperar o interesse público pela exploração do espaço. Tentou comprar tecnologia usada aos russos para tentar levar a cabo a sua ideia, mas pediam imenso dinheiro pelos foguetões. Na viagem de regresso, Musk teve a ideia de criar ele próprio uma empresa de foguetões. É assim criada a SpaceX que desenvolve e cria veículos espaciais. Em 2006 faz contratos com a NASA para continuar a desenvolver veículos que possam transportar cargas para a ISS (Estação Espacial Internacional). Em 2015 consegue um feito histórico – o lançamento de um foguetão orbital e depois a sua aterragem com sucesso em terra (neste caso, numa plataforma em alto mar) – significando a reutilização de foguetões. Em entrevista, Musk diz pensar enviar humanos para Marte dentro de 10 a 20 anos.

Foguetões que vão e voltam

Foguetões que vão e voltam

Em 2008, com a crise económica americana, Musk assume o cargo de CEO e arquitecto de produtos na Tesla Motors. Dedica-se fortemente ao desenvolvimento de carros eléctricos. Enquanto os grandes fabricantes mundiais de carros se deitam à sombra da bananeira no que diz respeito aos carros eléctricos, a Tesla fez o seu grande show off no ano passado apresentando um carro com uma autonomia de quase 500 quilómetros.

epa04049808 Elon Musk, co-founder and CEO of Tesla, poses with a model of the brand during a visit to Amsterdam, The Netherlands, 31 January 2014. The European Tesla Service is based in Tilburg and the European headquarters in Amsterdam. EPA/JERRY LAMPEN 0

Um carro eléctrico que dá para chegar ao Algarve

Outro projecto a que está dedicado é o SolarCity: a segunda maior empresa fornecedora de sistemas de energia solar. Tal como a Tesla, a grande motivação de Musk são as energias renováveis e o combate ao aquecimento global.

Outra nova ideia que Musk tenta implementar é a construção do HyperLoop – uma rede de transportes revolucionária de baixo custo e longas distâncias que tem como base um tubo em vácuo de forma a reduzir o atrito onde o transporte é efectuado através de cápsulas viajando sobre uma almofada de ar com a ajuda de motores de indução e compressores de ar.

Pé na tábua e fé no Musk

Pé na tábua e fé no Musk

Em Dezembro de 2015, Musk anunciou a criação de um novo projecto – OpenAI – onde se propõe a criar um sistema de inteligência artificial que seja benéfico e seguro para toda a humanidade.

Resumindo, não há dúvida que este homem é um grande influenciador e já mostrou cartas. O seu sonho é a colonização de Marte e é nesse objectivo que concentra grandes esforços. Tal como no passado, a história repete-se – chama-se de loucos aqueles que mais tarde fazem história e mudam o rumo do nosso planeta.

Será que somos apenas uma simulação? Será que o mundo tal como o conhecemos hoje não passa de um jogo de realidade virtual? A pensar…

Podem ler mais aqui e ver entrevista aqui.

Game over!