Bola, suor, pitons, magia, tíbias e pataniscas! Classe, massacre, vinho e panados! Dribles, pés esquerdos, cortes para canto e perninhas de frango. Tudo isto e nunca mais do que isto. A Segunda Bola promete ser a análise desportiva de que precisas para continuares a saber exactamente o mesmo, o comentário de pé em riste feito num teclado pelado e sem caneleiras. Valdemar Iglésias é do Sporting, Pedro Santos do Benfica e Nuno Brites do Porto: eles são os três filhos bastardos do Bruxo de Fafe com Zandinga e entram em campo sem se benzerem. Que vença o melhor!

Resultados da semana: Sporting 1 x 2 Real Madrid; Boavista 0 x 1 Sporting; Besiktas 3 x 3 Benfica; Benfica 3 x 0 Moreirense; Copenhaga 0 x 0 Porto; Belenenses 0 x 0 Porto

Valdemar Iglésias: “Iria acordar tarde, desorientado e com a boca a saber a óleo de fritar panadinhos? E o Sporting?”
As ressacas europeias do Sporting são como as minhas, levam quase uma semana a passar. É natural, é um clube centenário e eu para lá caminho. Assim, era com curiosidade que se aguardava o dia deste Boavista – Sporting. Iria acordar tarde, desorientado e com a boca a saber a óleo de fritar panadinhos? E o Sporting? Desde cedo no jogo se tornou óbvio que o técnico boavisteiro não se tinha despedido na semana anterior ao jogo. E que tinha ido aos arquivos do Estádio do Bessa recuperar os dossiês da estratégia de marcação homem-a-homem do campeão mister Jaime Pacheco e entregue ao jogador que tinha o Gelson Martins pela frente. Este, porém, não se intimidou. Foi dele o cruzamento teleguiado para a cabeça do matulão Bas Dost fazer o único golo do jogo. A guerra de pilas desta semana no futebol indígena tinha a ver com o tamanho das cláusulas de rescisão dos contratos dos jogadores jovens. Há uma escola dos que acham que defesas laterais razoáveis valem 80 milhões, outros que 60 milhões sobre o Gelson Martins é prova da escravatura imposta por esse pigmeu emissor de vaporizações electrónico-agressoras chamado Bruno de Carvalho. Ele que as iniciou e foi ridicularizado por isso, mas depois copiado. As cláusulas, não as emissões. Que essas já existiam desde antes da fundação. Do país. Em 1143. Noutros campos, glória ao FC Porto, que continua a sua senda de divulgação da mensagem de paz pelo futebol nacional, nomeadamente na não agressão das redes das balizas adversárias. Para quem dantes perseguia árbitros pelos relvados de futebol a fim de lhes aparar o bigode por causa de assinalarem faltas para cartão, a mudança de atitude merece elogio. Deve ser mensagem do Papa. Não é esse, o outro. P.S.: hoje eu sou Chapecoense. Já era, por causa do nosso ex-treinador adjunto e decorador de bancos de suplentes Marcelo Boeck ter escolhido esse simpático clube para prosseguir carreira. Mais uma equipa de futebol para integrar um torneio algures lá em cima onde já estão inscritos o Torino de 49, os Busby Babes de 58, o Alianza Lima de 87, entre outros clubes e selecções.

Pedro Santos: “Isto é ser Benfica, 3-0 é pouco!”
“Profecia é um relato, religioso ou não, no qual se afirma prever acontecimentos futuros” – in Wikipédia. Foi isto que senti quando, no passado domingo, fui trabalhar à hora do jogo, como é costume. Uma verdadeira aura de lampião emanava pelo meu corpo, mais, jorrava lampião pelas paredes e tectos. Quando, no final dos 90 minutos, me informaram do resultado de uns míseros 3-0 para o Glorioso, o estado de espírito continuou o mesmo. Nem triste, nem eufórico, normal! Isto é ser Benfica, 3-0 é pouco! Para nós não chega, para nós tem de ser massacre à séria. Comecei logo a pensar no próximo jogo, porque dar 3 é pouco para um lampião. Depois desta informação fiz a outra pergunta, quem marcou? Aqui (vão ao Spotify e ponham esta playlist para sentirem a minha dor)… Aqui, meus amigos benfiquistas, o meu coração parou. Não é que o Luís Miguel marcou 2 golos!! Não é que o gajo foi considerado o melhor jogador em campo!! Mais, sem saber ler, nem escrever, nem desenhar, nem jogar PES 2017 e muito menos FIFA, o Luís Miguel  fez um passe de letra para o Rafa, daqueles que um gajo usa o triângulo no comando, que dá origem ao 3.º golo. O Luís Miguel é o melhor marcador do Benfica e o 7º a nível do campeonato. Colocando estes dados à disposição de todos pergunto-me, onde estão essas potências do futebol mundial? Não querem um centro campista goleador? Nós temos o rapaz indicado, ele que há bem pouco tempo era o jogador mais caro de sempre do Benfica – 14 Milhões por este pequeno génio transmontano. Eu sabia da vitória do Benfica, porque ir trabalhar à hora de jogo é como ter o CR7 em campo – o jogo começa com 1-0 para o nosso lado, mas agora o Luís Miguel?! Isto é uma facada daquelas… Será que é uma estratégia do nosso treinador a tentar vender o rapaz em Janeiro? Se for isso, epá vai o Luís Miguel e o San Goku africano que afinal é açoriano.  Sobre o jogo, foi o massacre de sempre com o final feliz. Neste momento o que interessa é ganhar e aguentar o barco até o Jonas Pistolas chegar. Estamos a dar meio campeonato de vantagem. Só vamos usar o Ás de trunfo em Janeiro, ou se calhar antes, para sermos campeões de inverno na taça da liga. Sobre cagança, não gostei das declarações do nosso treinador. Acho muito mal dizer que o campeonato vai ser discutido a três. Dizer isto faz-me lembrar palavras do Jorge Jesus, todo inchado. Espero que o Rui Vitória venha esclarecer todos do seu equívoco e acrescentar o Porto neste número. Por último, o Inácio vai-se calar, aleluia! Já não podia com este rapaz, esquecia-se de tomar os medicamentos e depois era aquela série de barbaridades. Para completar o ramalhete só falta o Octávio voltar ao seu Porto. Estava a brincar, deixem lá o Nuno Espírito Santo que ele é bom. Abraço txitxos e até para semana.

Nuno Brites: “Isto é tudo de propósito”
Esta foi uma boa 11ª jornada para nós que continuamos convictos a desafiar a regras deste jogo da bola como nunca: anda tudo baralhado e a filosofar sobre o futebol estático e semi-previsível, a táctica que parece trapalhona confiada pelo treinador Espírito Santo. Falam da falta de mística e da bola que queima nas botas de chumbo. Até do presidente que já partilha o balneário com a equipa! Anda tudo a ficar impaciente mas, meus caros, isto é tudo de propósito! Não há derrota que nos assista desde Agosto e os números ainda nos dizem que temos a melhor defesa do campeonato! Ninguém nos pára, carago! Deixem só passar o Natal e o Dia de Reis, vá… Isto porque li no outro dia que o FC Porto tem a missão histórica, impossível para muitos, de ser campeão com os 22 pontos sacados até agora. Parece coisa pouca, mas os Lampiões andam felizes da vida e só têm 27! É só estatística, pá. Olhem lá o Donald Trump… apontaram-lhe o dedo por ser um louro tosco, tal qual o Depoitre, e era assobiado quando entrava em campo. Parecia que não acertava uma e teve menos votos mas, na hora da verdade, apareceu em grande e esmagou! Agora é a nossa vez de entrar para a história dos que “parece que não foram feitos para isto”. E a história diz-nos que as referências são… o Sporting duas vezes (sim, o Sporting já foi campeão duas vezes!), o Boavista do Petit e do Jaime Pacheco e aquele campeonato ganho pelo Trapattoni com aquela equipa e aquele futebol e aquilo tudo. Pois é… não sabiam! Agora ficou tudo a pensar… não se metam a pau, não! Não há fome que não dê em fartura de pontos, golos… Por aí… E já agora, continuem a falar do FC Porto. Sabem o que disse o Nuno Espírito Santo? “As palavras já não têm significado!”. (Não adoram tanto este gajo?)